AGU recorre ao TRF2 para garantir posse de Cristiane Brasil como ministra

A posse foi barrada pela primeira vez na segunda-feira (8), pela primeira instância, a partir de uma ação popular do Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes.

André Richter - Repórter da Agência Brasil
Publicada em 13 de janeiro de 2018 às 10:23
AGU recorre ao TRF2 para garantir posse de Cristiane Brasil como ministra

A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu nessa sexta-feira  (12) ao Tribunal Regional Federal (TRF2), sediado no Rio de Janeiro, para anular decisões da Justiça Federal que impediram a posse da deputada federal Cristiane Brasil no cargo de ministra do Trabalho.

A posse foi barrada pela primeira vez na segunda-feira (8), pela primeira instância, a partir de uma ação popular do Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes. A entidade argumenta que a nomeação de Cristiane Brasil “ofende a moralidade administrativa”. Segundo o movimento dos advogados, a deputada “praticou pessoalmente graves violações das leis trabalhistas, flagradas e comprovadas em, pelo menos, duas demandas judiciais”.

Em seguida, a AGU e a defesa da deputada recorreram à segunda instância, que manteve a decisão. Na noite de quarta-feira (10), o juiz substituto do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) Vladimir Vitovsky rejeitou o recurso.

No recurso, a AGU alega que o juiz que concedeu uma das liminares não tem competência legal para decidir a questão. A advocacia sustenta que a questão deveria ter sido analisada pelo juízo federal de Teresópolis (RJ), e não de Niterói (RJ). Para a AGU, a lei que regulamentou as ações populares estabelece que o tema deve ser julgado no local onde foi proposta a primeira ação envolvendo a questão.

* Texto atualizado às 19h20 para acréscimo de informações

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Um engodo chamado reforma da previdência

Um engodo chamado reforma da previdência

O senhor Henrique Meireles atribuiu o rebaixamento da credibilidade do Brasil no mercado internacional pela agência Standard and Poor’s a não aprovação da reforma da previdência pelo Congresso Nacional.