Governador Confúcio Moura diz que vai agilizar proposta para os trabalhadores em educação

O anúncio foi feito pelo próprio governador na tarde deste sábado, dia 10/03, em Ariquemes, em uma reunião marcada de urgência.

Assessoria de Imprensa - Sintero
Publicada em 11 de março de 2018 às 08:01
Governador Confúcio Moura diz que vai agilizar proposta para os trabalhadores em educação

O governador Confúcio Moura disse que vai determinar aos secretários integrantes da MENP – Mesa de Negociação Permanente que agilizem a apresentação de proposta visando ao atendimento das reivindicações dos trabalhadores em educação.

O anúncio foi feito pelo próprio governador na tarde deste sábado, dia 10/03, em Ariquemes, em uma reunião marcada de urgência.

A reunião foi intermediada pelo deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT), que entrou em contato com o governador e pediu que ele recebesse a diretoria do Sintero em audiência.

Segundo o deputado, o governador respondeu que só receberia duas pessoas e que teria que ser ainda no sábado, naquele mesmo momento. O parlamentar, então, telefonou para a presidente do Sintero, Lionilda Simão, relatando a possibilidade de conversar diretamente com o governador Confúcio Moura.

A presidente do Sintero pediu para que uma reunião fosse agendada com a possibilidade de ter a participação de toda a Diretoria e de representantes das Regionais.

Diante da resposta negativa e da possibilidade única de relatar diretamente ao governador os problemas e as reivindicações dos trabalhadores, e cobrar uma solução, a presidente do Sintero pediu para que pelo menos quatro diretores do sindicato participassem do encontro.

Assim, participaram da reunião a presidente do Sintero Lionilda Simão, as diretoras da Executiva Dioneida Castoldi (Secretária Geral) e Maria de Fátima Rosilho, a Fatinha (Secretária de Políticas Sociais e Saúde do Trabalhador), e o diretor da Regional Estanho, Edson Luiz Fernandes.

A presidente do Sintero disse ao governador que os trabalhadores em educação passam por um dos piores momentos com salários defasados e falta de valorização, que as leis do piso nacional, do Plano Estadual de Educação e do Plano de Carreira não estão sendo cumpridas, e que o tratamento à categoria é desumano.

Foi repassado ao governador um levantamento que demonstra as perdas salariais dos trabalhadores em educação desde o início do seu primeiro mandato, em 2012.

Um professor Classe C ganhava em 2012 R$ 1.904,78 no vencimento, enquanto o Piso Nacional era de R$ 1.451,00. Ou seja, o vencimento do professor classe C era 31,27% maior que o piso.

O vencimento do professor classe C em 2018 é de R$ 2.218,00, ou seja , 10,7% inferior ao piso nacional, que está em R$ 2.455,00

Se o governo do estado tivesse acompanhado os reajustes do Piso Nacional, hoje o vencimento inicial do professor classe C seria R$ 3.223,17, ou seja, 45,3% maior do que é pago atualmente.

Os Técnicos Educacionais também acumulam grandes perdas nos salários. Em 2012 o vencimento dos Técnicos nível 1 era de R$ 746,91 e o salário mínimo era R$ 622,00. Assim, o vencimento era 20,08% maior do que o salário nínimo.

Em 2018 o salário do Técnico nível 1 é de R$ 869,83 no vencimento, enquanto o salário mínimo está em R$ 954,00. Ou seja, atualmente o vencimento do Técnico nível 1 é 9,67% menor do que o salário mínimo.

Se a categoria tivese recebido pelo menos os reajustes do salário mínimo,

Hoje teria um vencimento 31,7% maior e chegaria a R$ 1.145,56.

Após ouvir todo o relato, Confúcio Moura disse que vai determinar aos secretários para elaborem uma proposta e apresentem à categoria o mais breve possível.

O Sintero está convocando os trabalhadores em educação para a continuidade da luta em todas as Regionais nesta segunda-feira, dia 12/03.

Comentários

  • 1
    image
    Bento Arruda 12/03/2018

    E OS DEMAIS FUNCIONARIOS, PORQUE SÓ DA EDUCAÇÃO?

  • 2
    image
    marcos britto 11/03/2018

    A verdade é que foi o pior Governador para os funcionários públicos, pois todas as categorias fizeram greve inclusive a Polícia Militar!Os funcionários da SAÚDE, já estão na iminência de uma greve, pois seus direitos estão a deriva, estamos sem insalubridade, sem PCCR, sem progressão, sem aumento salarial,o auxiílio alimentação de 100 reais... hoje chamado de auxílio fome, hospital imundos, um descaso total... e a frente do Governo um Médico que nem nos hospitais aparece...uma vergonha!

  • 3
    image
    Edfacanha 11/03/2018

    Governador Confúcio Moura diz que vai agilizar proposta para os trabalhadores em educação, POR QUE NÃO FEZ ISSO EM DEZEMBRO/2017, JANEIRO OU FEVEREIRO/2018, ANTES DO INICIO DAS AULAS. POR QUE NÃO FEZ DURANTE 2014, 2015, 2016, 2017 DURANTE ESSES ANOS A CATEGORIA DA EDUCAÇÃO VEM COBRANDO, COBRANDO E SÓ AGORA DIZ QUE VAI APRESENTAR UMA PROPOSTA, QUE PROPOSTA QUE NADA TEM QUE CUMPRIR A LEI OU A PROPOSTA QUE VOCÊ CONFUCIO MOURA FEZ EM 2015 PARA A EDUCAÇÃO. Trabalhadores em educação avaliam omissão do governo e podem discutir proposta de greve Os trabalhadores em educação de todo o Estado se reunirão na próxima semana em assembleias convocadas pelo Sintero tendo como pauta principal a inércia e a omissão do governo do Estado quanto às negociações visando ao atendimento da pauta de reivindicações de 2015. A pauta foi aprovada em assembleia da categoria em dezembro de 2014 e imediatamente encaminhada à Seduc e ao Gabinete do governador Confúcio Moura. No entanto, até o momento não houve uma resposta quanto ao reajuste salarial e aos demais itens financeiros. Os trabalhadores em educação estão revoltados com o governo do Estado pelo não cumprimento do reajuste de 6% em janeiro de 2015, conforme compromisso firmado com a categoria ainda durante a greve de 2013. O governo não cumpriu esse compromisso e não fala sobre o assunto. Durante as assembleias, que serão realizadas em todo o Estado, a direção do Sintero fará uma explanação à categoria sobre as últimas reuniões com a Seduc e sobre a resistência do governador Confúcio Moura em receber os representantes dos trabalhadores em educação para discutir o atendimento das reivindicações. NÃO VAMOS CAIR NESSA CILADA NOVAMENTE PROFESSORES.

  • 4
    image
    Henry 11/03/2018

    Apenas uma sugestão ao ilustre Governador. Faça um acordo com a classe da educação no seguinte sentido: O atendimento das reivindicações ou parte delas ficarão condicionadas a comprovação do retorno de todos os professores à sala de aula, incentivando-os com um aumento da gratificação de atividade docente.

  • 5
    image
    Cordezito pessoa junior 11/03/2018

    Tem que fazer cumprir a lei qualquer outra proposta e oportunista e sem retaguarda jurídica legal - desde de 2015 sem implementar e já aprovada e uma afronta! Vale - se disso governador e será bem aceito - que tb seja promovido os efeitos retroatuvis a que tdos nos temos direito! Incontinenti!

  • 6
    image
    Marlete 11/03/2018

    O que nós Profissional da Educação queremos é o comprimento da lei aprovada pelo próprio governo desde de 2015.

  • 7
    image
    Ademar 11/03/2018

    E quanto a situação dos Caerdianos o senhor não diz nada, vai manter essa Diretoria sinda, depois dos descasos com os trabalhadores da Caerd

  • 8
    image
    j paulo 11/03/2018

    Confuso pq não agiliza a lingua e fala logo qual foi a ameaça e de quem, que sofreste para desistir de disputar o senado.

  • 9
    image
    Que Deus conceda sabedoria para o governador Confu 11/03/2018

    Que Deus conceda sabedoria ao nosso governador Confucio Moura e tudo twrmibe bem Que saia por cima. Tudo isso ainda é resultado dos 8 anos sem valorizacao no governo Ivo Cassol.O pior é que tem gente que ainda assim prefere seu retorno ao governo. ABSURDO.Af! Poliricagem demais tambem.

  • 10
    image
    Silvio maran 11/03/2018

    Tomara q tenha um reajuste diferenciado para os tec. Ed. Porque estamos com salario de miseria.

  • 11
    image
    Silvio maran 11/03/2018

    Tomara q tenha um reajuste diferenciado para os tec. Ed. Porque estamos com salario de miseria.

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Rondônia, capital Seul

Rondônia, capital Seul

Rondônia e Coréia do Sul têm estas enormes diferenças por que esta investiu maciçamente em educação enquanto aquela insistiu em copiar tudo o que deu errado no Brasil.