Lindbergh condena reforma trabalhista e pede constituinte

Ele afirmou que houve incremento do desemprego, demissões sem pagar rescisão, redução no pagamento de horas extras, aumento da jornada de trabalho e diminuição nos salários.

Agência Senado 
Publicada em 11 de julho de 2018 às 17:02
Lindbergh condena reforma trabalhista e pede constituinte

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) lembrou que há exatamente um ano o Senado aprovava a reforma trabalhista e disse que as consequências das novas regras foram nefastas para os trabalhadores. Ele afirmou que houve incremento do desemprego, demissões sem pagar rescisão, redução no pagamento de horas extras, aumento da jornada de trabalho e diminuição nos salários.

O parlamentar fluminense disse ainda que essa é a cara do Brasil de Michel Temer, ressaltando que no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a vida dos brasileiros mais pobres era muito melhor. Para Lindbergh, este é o motivo pelo qual a candidatura de Lula só faz crescer nas pesquisas.

— Sinceramente, eu acho que só a eleição não vai resolver. Nós vamos ter que eleger Lula presidente, mas é fundamental mexer nesse sistema que está podre, volto a dizer. Nesse Congresso Nacional, nesse Poder Judiciário. Nós temos que fazer uma assembleia nacional constituinte, para refundar o Estado brasileiro.

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook