Recomenda à Câmara que revogue trecho de lei que trata da expansão na margem esquerda do rio Madeira

O Ministério Público argumenta que a expansão tratada no dispositivo citado é idêntica à realizada em lei anterior declarada inconstitucional por vício formal e materialmente.

Assessoria MP/RO
Publicada em 19 de abril de 2017 às 15:16
Recomenda à Câmara que revogue trecho de lei que trata da expansão na margem esquerda do rio Madeira

O Ministério Público de Rondônia, por meio da Procuradoria-Geral de Justiça e da Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo, expediu recomendação ao Presidente da Câmara de Vereadores Porto Velho para que revogue, no prazo de 30 dias, trecho do artigo 7-A, da Lei Complementar nº 643/2016, que trata da expansão urbana na área da margem esquerda do Rio Madeira.

Conforme expõe o texto da recomendação, lei anterior com o mesmo objeto, qual seja, a expansão urbana naquela região, foi objeto de Ação Direta de Inconstitucionalidade julgada procedente pelo Judiciário (autos nº 0010778-55.2014.8.22.0000). Outro ponto destacado na recomendação é que recente decisão liminar concedida em ação civil pública proposta pelo MP/RO suspendeu as atividades inerentes a loteamentos clandestinos, inclusive com proibição de vendas de lotes nesses loteamentos localizados na margem esquerda do Rio Madeira.

O Ministério Público argumenta que a expansão tratada no dispositivo citado é idêntica à realizada em lei anterior declarada inconstitucional por vício formal e materialmente. A expansão é de dimensão maior que o perímetro atual, fato que, por si só, não recomendaria a descaracterização, tendo em vista a deficiência de infraestrutura na área urbana já existente. Além disso, o Município realizou estudos que evidenciam os vazios urbanos na Capital, cuja área urbana precisa ser organizada, estruturada e reordenada. Eventual expansão urbana demanda planejamento, estudos técnicos, participação popular e previsão orçamentária.

A recomendação que trata da questão foi entregue ao Presidente da Câmara, Maurício Carvalho, no dia 18/04, em reunião realizada pela 5ª Promotoria de Justiça (Curadoria da Probidade Administrativa), que investiga o assunto.

Comentários

  • 1
    image
    cristiano 19/04/2017

    O Ministério Público, por suas recomendações, também passa a legislar ou pelo menos fazer parte do processo legislativo invadindo competência do executivo tacitamente sancionando ou vetando projetos de lei. Menos....

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook