Adiamento do feriado é medida necessária para a economia e manutenção de empregos

Dirigentes empresariais ressaltam que autoridades acertam quando adiam feriados depois de tantas paralisações das atividades econômicas

Assessoria
Publicada em 01 de outubro de 2020 às 15:01
Adiamento do feriado é medida necessária para a economia e manutenção de empregos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-Fecomércio/RO e seus Sindicatos Filiados e entidades do setor produtivo, haviam feito uma carta aberta ao Prefeito de Porto Velho e aos vereadores solicitando o adiamento do feriado do dia 02 de outubro, aniversário da criação do município de Porto Velho, no que foram, em boa hora, atendidos com o decreto 16.943, que prevê que a data será comemorada no dia 05 de janeiro de 2021.

O setor produtivo entende que há sólidas razões para este pedido, em virtude da fase de extrema dificuldade, em especial para as micros e pequenas empresas, que compõem a grande maioria das cerca de mais de 16 mil empresas que fecharam suas portas, desde 20 de março, com a edição das restrições ao comércio, derivadas da pandemia do novo coronavírus. Na prática já aconteceram mais de 120 dias de paralisação das atividades, o que já deveria ser suficiente para se perceber que houve um imenso prejuízo ao estado. Em cinco meses houve uma queda estimada do PIB estadual de cerca de 5%, o que representa algo em torno de R$ 2,5 bilhões. Um dia sem movimento em Porto Velho representa uma perda de mais de R$ 25 milhões que afeta as empresas menores, que dispensaram cerca de 90% das 34 mil vagas fechadas no período. 

 

Segundo o presidente da Fecomércio e vice-presidente da CNC, Raniery Araujo Coelho, “As pessoas precisam entender que a situação econômica é muito difícil. Não se pode, como querem alguns que não pensam no custo da pandemia, não ter atenção aos problemas econômicos brasileiros e do nosso Estado, que, como se sabe, possui mais de 50% de sua população sendo sustentada pelo auxílio emergencial. Até mesmo o Governo Federal tem procurado demonstrar que precisamos retomar a normalidade para sair da atual situação, onde o desemprego é muito elevado e as pessoas que o procuram não encontram. Não faremos isto sem atividade econômica e sem as empresas, o que implica em que sobreviver à atual crise é essencial. O empresário sabe o quanto é difícil manter seu negócio e o trabalhador do comércio agradece e apoia as empresas pelo emprego, por entender que todos nós estamos vivendo um momento delicado”, afirmou.

Raniery destacou ainda que “De fato, já passamos quase todo o ano sem atividade econômica, por conta das restrições da pandemia, não tem sentido termos tantos feriados, como temos nos tempos normais, afetando a vida das empresas e contribuindo para aumentar ainda mais o desemprego. Em muitas capitais do país, como é o exemplo aqui de Manaus, o prefeito Arthur Neto, decretou a suspensão dos feriados e pontos facultativos por 12 meses na capital com o objetivo de estabilizar a economia que foi brutalmente afetada em decorrência da pandemia. Assim, não há como não louvar o comportamento do prefeito Hildon Chaves e dos vereadores Maurício Carvalho e Marcelo Reis, bem como dos demais vereadores do nosso município que mostram discernimento e compreensão da importância de manter renda e empregos num momento tão difícil de nossas vidas”, finalizou.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook