Deputado Jhony Paixão defende que curso na PM seja no formato EAD

Parlamentar destacou que a pandemia da Covid-19 ainda não terminou e é preciso manter cautela

Ivanilson Frazão Tolentino-ALE/RO Foto: Thyago Lorentz-ALE/RO
Publicada em 10 de novembro de 2021 às 08:34
Deputado Jhony Paixão defende que curso na PM seja no formato EAD

O deputado estadual Jhony Paixão (Republicanos) participou, na tarde desta terça-feira (09), da sessão na Assembleia Legislativa de Rondônia, onde defendeu a necessidade de economia por parte dos órgãos públicos.

Ele lembrou que a pandemia da Covid-19 ainda não terminou e que merece cuidado por parte de toda a sociedade. “Somente ontem foram 42 novos casos da variante delta em Rondônia. Temos que pensar no progresso, mas com cautela”, alertou.

O parlamentar disse que no próximo dia 11 de novembro começa, de forma virtual, o curso de sargento da Polícia Militar. Ele pediu que os outros deputados apoiassem a solicitação dele para que as aulas sejam de forma EAD(Ensino à Distância).

“O curso com os 213 que vão fazer na forma EAD, custará R$ 653 mil. Se fosse presencial, esse valor triplicaria. Se permanecermos na forma EAD, teríamos uma economia para os cofres públicos de mais de 1 milhão de reais”, declarou.

Jhony Paixão calculou que com o dinheiro economizado na forma EAD, seria possível a compra de 350 calibre 12; 583 ares condicionados; 2.100 bebedouros de água para as unidades ou 807 coletes nível 3 A .

“Peço aos nobres pares que assinem de forma coletiva a essa minha indicação. Peço também ao Governo de Rondônia para caminharmos lado a lado, mas pensando na economia”, finalizou.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Câmara e Planalto pressionam e STF busca caminho do meio

Câmara e Planalto pressionam e STF busca caminho do meio

"É uma sinuca de bico, que coloca a Corte Suprema - que hoje vive uma trégua com o governo Bolsonaro - entre a cruz da constitucionalidade, que a obriga a fazer o certo, e a caldeirinha das ameaças e dos ataques que pode sofrer por supostamente inviabilizar a ajuda aos pobres", escreve a jornalista