O caótico sistema de trânsito de Porto Velho

Somente uma tomada de posição, coletiva e responsável, pode levar a população a ter um novo olhar sobre o trânsito

Valdemir Caldas
Publicada em 06 de abril de 2020 às 14:00
O caótico sistema de trânsito de Porto Velho

Há uma espécie de consenso entre pedestres e motoristas quanto ao reconhecimento de que o trânsito na cidade de Porto Velho é um dos mais violentos do país. A grande dificuldade, porém, tem sido a de convencer uns e outros de que no trânsito, como em outras áreas, é preciso que cada pessoa dê a sua cota de participação para enfrentar um problema que é de todos.

Por outro lado, o poder público municipal não tem cumprido o seu papel. O município não tem uma politica de trânsito, nem um planejamento urbano, o que acaba contribuindo para estimular a desordem e a prevalência da chamada “lei do mais forte”. O uso de telefone celular é um dos exemplos clássicos. Apesar de a legislação determinar as condições em que é possível usar o equipamento, a grande maioria dos detentores de aparelhos insiste em ignorar solenemente a lei.

Quer outro exemplo. O uso de outros aparelhos de som e imagem dentro dos veículos acaba distraindo os motoristas. Se não houver uma mudança de comportamento dos segmentos envolvidos no problema – pedestres, motoristas e os setores responsáveis pela vigilância e adequado funcionamento nesse setor, novas brechas para o cometimento de infrações estarão abertas. Ao contrário do que pensa o titular da secretaria municipal de trânsito, mobilidade e transportes, não adianta colocar fiscais nas esquinas das principais ruas, aplicando multa a torto e a direto, que isso não vai resolver o problema. 

O sistema de fiscalização de Porto Velho é precário. Nesse campo, vivemos na idade da pedra lascada, enquanto cresce o número acidentes, com muitas vidas sendo ceifadas e outras tantas condenadas a viver com sequelas irreparáveis pela irresponsabilidade e pela imprudência de motoristas. É um absurdo o nível de violência a que chegou o trânsito de Porto Velho, para a qual a população aguarda respostas das autoridades responsáveis pelo setor. Somente uma tomada de posição, coletiva e responsável, pode levar a população a ter um novo olhar sobre o trânsito.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook