5 passos para cuidar da saúde mental dos idosos

A terceira idade está mais vulnerável a transtornos psiquiátricos, porém muitas vezes esses são negligenciados; psiquiatra da SIG Residência Terapêutica explica

Assessoria/Foto: Canva
Publicada em 05 de agosto de 2022 às 14:43
5 passos para cuidar da saúde mental dos idosos

De acordo com pesquisa recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2060, o número de pessoas com 65 anos ou mais no país será de 58,2 milhões - o equivalente a 25,5% da população. Outro estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) indica que a população do Brasil vai “envelhecer” de forma constante e acelerada nos próximos anos: 40,3% dos brasileiros serão idosos daqui a aproximadamente 90 anos.

Com o envelhecimento da população e consequente aumento da expectativa de vida, as preocupações e cuidados com a saúde dos indivíduos dessa faixa etária aumentam, e é necessário estar sempre atento a essa questão.

Para Ariel Lipman, médico psiquiatra e diretor da SIG Residência Terapêutica, é importante que os familiares de idosos monitorem eventuais mudanças, ainda mais quando o assunto é saúde mental. “Quanto mais brusca for essa mudança, mais provável é estarmos diante de um quadro patológico”, explica o especialista.

Ainda de acordo com o Lipman, o erro mais comum de um familiar é ser negligente, entendendo os sintomas como algo “normal da idade”. “O envelhecimento pode levar a um cansaço maior, menos disposição para atividades sociais e uma tendência a ficar mais em casa, mas é importante saber diferenciar quando isso deixou de ser um processo natural e está sendo decorrente a um quadro patológico”, complementa.

O psiquiatra diz ainda que as doenças nos idosos não se manifestam como no adulto mais jovem. “O idoso também tende a se queixar menos. Por isso, uma busca ativa pode ser fundamental. Se notar que o idoso mudou seu comportamento habitual, vale uma conversa com um especialista.

Lipman lembra ainda que, no cuidado com idosos, “não há fórmula mágica”, e que é necessário ser ativo, executando atividades profissionais, sociais, voluntárias ou de lazer. “Manter o cérebro ativo, se envolvendo em tarefas que estimulam a cognição e mantendo prática de atividades físicas, encontros sociais e familiares é fundamental”, recomenda ele.

Confira os 5 passos para cuidar da saúde mental nos idosos, de acordo com o psiquiatra da SIG:

Hobbies

Lazer é importante para todas as faixas etárias, mas na terceira idade pode ser ainda mais benéfico, pois estamos falando de pessoas que acabam ficando mais sozinhas no dia a dia e sem ocupação, o que contribui para o aparecimento de transtornos.

“Lazer para a terceira idade traz inúmeros benefícios, pois é uma oportunidade de distração, interação social e prática de atividades que eles gostam”, explica o especialista.

Tempo de qualidade

Novamente, por conta de longos períodos sozinhos, em casa e sem ocupação, os idosos têm a necessidade de conversar, ouvir, e realmente ter uma companhia. “A tarefa parece simples, mas faz diferença e é um grande cuidado na saúde mental deles”, afirma Lipman.

Pensando nisso, é importante sempre reservar um tempo para estar presente na vida do idoso - fazendo uma visita, levando-o para um passeio ou para qualquer outra atividade em que ele escute e seja escutado.

Autonomia

A autoconfiança é muito importante para uma pessoa da terceira idade, e dar autonomia para ela é contribuir para isso. “É claro que devemos levar em consideração se o idoso tem condição de sair sozinho, por exemplo, e por isso é importante sempre ter um acompanhamento médico. Mas, caso seja possível, é muito benéfico que o idoso vá sozinho realizar atividades simples, como ir ao mercado, ao banco, etc...”, explica Lipman.

Rotina saudável

Não é segredo para ninguém que manter uma rotina saudável é sinônimo de saúde física e mental. Além de praticar exercícios físicos, ter horários definidos é uma grande aliada nos cuidados dos idosos.

“Se possível, é importante definir horários para acordar, dormir, comer e praticar alguma atividade física, como caminhar, por exemplo”, opina o psiquiatra. Essa organização, segundo ele, ajuda no bem-estar do idoso.

Acompanhamento psicológico

Por fim, mas não menos importante, é preciso ressaltar a necessidade de um acompanhamento psicológico, que faz total diferença nessa fase da vida.

“Além de fazer visitas periódicas ao cardiologista e ao nutricionista, por exemplo, contar com atendimento psicológico também é essencial para garantir o equilíbrio emocional e a qualidade de vida na terceira idade”, finaliza o médico.

Sobre a Sig - Fundada em 2011, no Rio de Janeiro, a Sig Residência Terapêutica, surgiu com o propósito de trazer um novo olhar em transtornos de saúde mental, com um tratamento humanizado, inclusivo e visando a ressocialização do paciente. Conta com 3 unidades, sendo duas na cidade do Rio de Janeiro e uma em São Paulo. Atualmente é gerida pelos sócios Dr. Ariel Lipman, Dra. Flávia Schueler, Dra. Anna Simões, Elmar Martins e Roberto Szterenzejer.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook