A guerra interna nos partidos já afasta o cidadão comum da política

No mais, para evitar digressões, cumpre avançar aqui para a afirmação de que os partidos ou não têm uma tradição de acolhimento ao cidadão, ou a abandonaram na medida em que exerceram o poder ou com ele conviveram como apêndices ou coligados.

Edson Lustosa
Publicada em 13 de fevereiro de 2020 às 06:34
A guerra interna nos partidos já afasta o cidadão comum da política

Jornalista Edson Lustosa

Há inúmeros cidadãos que têm excelentes propostas para a solução de problemas que afligem as comunidades em que vivem. Utiliza-se aqui a palavra comunidade em seu sentido verdadeiro e não como eufemismo pós-contemporâneo de uso restrito para denominação “politicamente correta” de favela.

Ocorre que esses cidadãos, por mais entusiasmados que sejam em relação a tais propostas, não se sentem animados a participar da vida partidária. E isso tem uma clara razão de ser: o ambiente insano das instâncias internas das agremiações políticas. Sendo cidadãos preocupados com o bem comum, dificilmente se identificam com as práticas comuns aos dirigentes partidários.

E isso é tão verdadeiro, ao ponto do atual presidente da República, que tem todo o seu marketing político construído em torno da ideia de passar o país o limpo, haver constatado que, para fortalecer-se politicamente, na atual conjuntura, nada melhor do que ficar sem partido. Quanto à extemporaneidade da criação de um partido “para chamar de seu”, registre-se, por ora, que é algo merecedor de abordagem mais aprofundada em artigo centrado em tal tema.

No mais, para evitar digressões, cumpre avançar aqui para a afirmação de que os partidos ou não têm uma tradição de acolhimento ao cidadão, ou a abandonaram na medida em que exerceram o poder ou com ele conviveram como apêndices ou coligados. De tal sorte que, para que se tenha efetiva expectativa de que as eleições deste ano representam a oportunidade de mudança pela qual a comunidade anseia, seria necessária uma ampla reforma nas normas que regem a organização partidária, seguida da devida transformação na esfera interna dos partidos.

Inarredável, tal verticalidade descendente. Ilícito será, pois, acreditar que a transformação tão desejada viesse surgir dos próprios corpos diretivos atuais dos partidos e alcançasse consubstanciação no plano legislativo. Até porque os partidos com perfil mais próximo disso tendem a ser eliminados do cenário por meio da cláusula de barreira e outros mecanismos de exclusão.

Nesse cenário de desesperança, cabe aos cidadãos do bem (não “de bem” – expressão que ganhou conotação de pretensioso rótulo em debates como o da facilitação da compra de armas – e, muito menos, cidadãos “de bens”, no mais das vezes não declaráveis ao fisco) buscarem seu fortalecimento em movimentos suprapartidários, em organizações sociais e em outros agrupamentos, que lhes permita unirem forças e esforços em prol da construção de uma nova consciência popular, que impulsione as municipalidades a conquistas que lhes minorem o sofrimento imposto por mandatários que veem na promessa reiterada de atendimento aos anseios sociais meramente um instrumento de manipulação eleitoreira.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Datas históricas de Rondônia

Datas históricas de Rondônia

FOTO DO DIA: A Rádio Caiari de Porto Velho, fundada em 1961 pelo bispo dom João Batista Costa (foto) e pelo padre Vitor Hugo, é a mais antiga do Estado.