Alexandre Frota protocola pedido para CPI da fakeada

O deputado disse que tomou a decisão de abrir a CPI após assistir ao documentário “Bolsonaro e Adélio – Uma Facada no Coração do Brasil”

Brasil 247
Publicada em 13 de setembro de 2021 às 10:08
Alexandre Frota protocola pedido para CPI da fakeada

Alexandre Frota e momento da facada em Bolsonaro (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados | Reprodução/Facebook)

247 - O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) protocolou nesta segunda-feira (13) pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a suposta facada contra Jair Bolsonaro em 2018, às vésperas das eleições presidenciais. Ele disse ter tomado a decisão depois de assistir ao documentário "Bolsonaro e Adélio - uma facada no coração do Brasil", da RV 247. “Hoje eu tenho noção do quanto muitas coisas não estão explicadas”, disse.

“Bolsonaro tinha 8 segundos de televisão e passou a ter 24 horas […]. Foi na facada que ele ganhou as eleições”, disse o deputado ao portal Poder360.

A reportagem relembra que o então candidato à presidência foi atingido por um golpe de faca quando cumpria agenda eleitoral em Juiz de Fora (MG), em 6 de setembro de 2018. O autor do golpe, Adélio Bispo de Oliveira, foi preso em flagrante.

Adélio foi absolvido do crime por ser considerado inimputável, ou seja, incapaz de responder pelos atos que praticou. Por isso, sua pena foi convertida em internação psiquiátrica por tempo indeterminado. Ele cumpre a sentença na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS) desde 2018.

“Tudo leva a crer que o Bolsonaro tinha um problema sério no intestino e ele aproveitou dessa situação, criou esse fato e com isso ele venceu as eleições.”

Frota também questionou a prisão de Adélio não ser em local específico para tratamento psiquiátrico. “Por que Bolsonaro aceitou tão facilmente que Adélio agiu sozinho? Espero que Arthur Lira (PP) não aja a favor de Bolsonaro, como tem feito”, afirmou.

Saiba mais sobre o documentário:

O documentário "Bolsonaro e Adélio - uma facada no coração do Brasil", feito pelo repórter investigativo Joaquim de Carvalho, pelo cineasta Max Alvim e pelo cinegrafista Eric Monteiro, com produção da TV 247 e financiamento coletivo de seus assinantes e apoiadores, demonstrou todos os furos do episódio usado por Jair Bolsonaro na disputa presidencial de 2018 para fugir dos debates e assim se tornar presidente da República sem ser confrontado.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

A velha história da montanha que pariu um rato

A velha história da montanha que pariu um rato

"O que as pesquisas atuais mostram é algo inteiramente normal na democracia: na reeleição, quem faz um bom governo é favorito, quem conclui um governo mediano está no páreo e o mau governante tende a perder. O péssimo é carta fora do baralho", resume o sociólogo Marcos Coimbra sobre Bolsonaro