Deputado Coronel Chrisóstomo diz sim ao uso da telemedicina

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 696/2020, que autoriza a telemedicina no Brasil durante a pandemia do novo coronavírus.  

Assessoria
Publicada em 26 de março de 2020 às 21:14
Deputado Coronel Chrisóstomo diz sim ao uso da telemedicina

O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, declarou na terça (24) que “o travamento do país seria “péssimo” para a saúde” e criticou o fechamento de consultórios.

Os profissionais de saúde atuam na linha de frente no combate ao coronavírus, e o contato direto com casos suspeitos, faz com que esta classe de profissionais seja mais suscetível a contrair a doença. Tomando como exemplo a Espanha, cerca de 12% dos pacientes são médicos, enfermeiros e motoristas de ambulâncias.

Afim de evitar a contaminação destes profissionais, bem como transtornos com a redução no atendimento à população, a Câmara dos Deputados veio ao encontro desta  demanda com o Projeto de Lei 696/2020, que permite que qualquer atividade da área da saúde seja realizada pela internet.

O deputado federal Coronel Chrisóstomo é um dos parlamentares que mais apoia esta causa, pois sabe da realidade e das necessidades da Região Norte no que tange ao atendimento médico. Preocupado, o mesmo fez questão de estar presencialmente na votação, bem como defender os pontos que o levaram  a votar a favor do PL.

A tramitação aconteceu em regime de urgência por meio de uma sessão virtual realizada nesta quarta-feira (25), e foi aprovada em sua essência. A proposta autoriza a telemedicina no Brasil durante a pandemia do novo Coronavírus e o uso de videoconferências para a realização de atividades de assistência, pesquisa, prevenção de doenças e lesões, e promoção de saúde.

Favorável à proposta, o deputado Coronel Chrisóstomo afirma que a telemedicina, por encurtar as distâncias, torna-se uma ferramenta de uso imprescindível para a região amazônica e tantos locais de difícil acesso em Rondônia, não só em época de pandemia, mas em todos os momentos do ano.

ASSISTA O VÍDEO:

Além de levar saúde de qualidade às cidades do interior do Brasil, que nem sempre conseguem atrair médicos, a telemedicina também beneficia grandes centros, pois reduz o estrangulamento no sistema convencional causado pela grande demanda, ocasionada pela migração de pacientes em busca de tratamento.

O Projeto de Lei 696/2020 oficializa a teleconsulta, definida pela norma como consulta médica remota, mediada por tecnologias, com médico e paciente localizados em diferentes espaços geográficos:

Telediagnóstico: emissão de laudo ou parecer de exames, por meio de gráficos, imagens e dados enviados pela internet;

A teleinterconsulta: troca de informações e opiniões entre médicos, com ou sem a presença do paciente, para auxílio diagnóstico ou terapêutico, clínico ou cirúrgico;

Telecirurgia: procedimento feito por robô, manipulado por um médico que está em outro local;

Teletriagem médica: o médico faz uma avaliação, à distância, dos sintomas apresentados, para a definição e o direcionamento do paciente ao tipo adequado de assistência necessária;

Teleorientação: permite a declaração de saúde para a contratação ou adesão a plano de saúde e outros trâmites.

Telemonitoramento: permite que um médico avalie as condições de saúde de pacientes, evitando idas desnecessárias a unidades de pronto-socorro.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook