Durante entrevista Governo do Estado pede que agentes penitenciários retornem ao trabalho para que haja novo diálogo com a classe

Durante a entrevista, o secretário-chefe da Casa Civil falou sobre a determinação do Poder Judiciário dizendo que a greve é ilegal e, sendo ilegal, os servidores estão desobedecendo a lei.

Rejane Júlia/Fotos: Frank Néry e Arquivo Secom
Publicada em 14 de março de 2019 às 16:50
Durante entrevista Governo do Estado pede que agentes penitenciários retornem ao trabalho para que haja novo diálogo com a classe

Secretário-chefe da Casa Civil em entrevista à imprensa

O secretário-chefe da Casa Civil, Pedro Antônio Pimentel, concedeu entrevista à imprensa no final da manhã desta quinta-feira (14), no Palácio Rio Madeira. disse que ficou surpreso com a presença de agentes penitenciários nas escadarias do prédio central Rio Pacaás Novos por não haver nenhuma reunião marcada para hoje com dirigentes do Sindicato da categoria.

Durante a entrevista, o secretário-chefe da Casa Civil falou sobre a determinação do Poder Judiciário dizendo que a greve é ilegal e, sendo ilegal, os servidores estão desobedecendo a lei. “O Estado apresentou propostas ao Singeperon que foram recusadas naquela ocasião. Dessa forma, então, por determinação judicial, após os agentes penitenciários retornarem na sua totalidade ao trabalho, o Estado poderá voltar ao diálogo com a categoria”, enfatizou.

Essa é a segunda vez que o Tribunal de Justiça reforça a ilegalidade do movimento grevista dos agentes penitenciários.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Tiago 15/03/2019

    Esse ai é o maior mentiroso, ele participou dos estudos, inclusive assinou a documentação, agora vem com essa conversa. O Judiciário só fala para que os Agentes voltem ao trabalho por estarem na ilegalidade da greve, por outro lado não diz nada em relação ao cumprimento do acordo realizado junto ao governo, e também não aplica nenhuma multa referente ao descumprimento do acordo.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook