Filhos de senador são condenados por desmatar área equivalente a 490 Maracanãs

Ivo Júnior Cassol, Juliana Mezzomo Cassol Malheiros e Karine Cassol, apresentaram contestação requerendo a improcedência da ação por terem executado a recomposição da vegetação das áreas.

Luciana Oliveira
Publicada em 17 de outubro de 2017 às 11:35
Filhos de senador são condenados por desmatar área equivalente a 490 Maracanãs

Os fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) faziam monitoramento com aeronave em áreas da Bacia Hidrográfica do Rio Mequéns no dia 27 de setembro de 2008, quando constataram o desmatamento ilegal de 352 hectares de floresta nativa numa propriedade em nome dos filhos do senador Ivo Cassol (PP).

A área equivale a 490 estádios como o Maracanã.

Ivo Júnior Cassol, Juliana Mezzomo Cassol Malheiros e Karine Cassol, apresentaram contestação requerendo a improcedência da ação por terem executado a recomposição da vegetação das áreas.

No último dia 11, o juiz de Direito Alencar das Neves Brilhante, da 1ª Vara Cível de Alta Floresta do Oeste, decidiu condenar os irmãos à obrigação de fazer “consistente em apresentar Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD)”, sem esquecerem de encaminhar o plano ao (IBAMA) para aprovação no prazo de 60 dias.

“Atento ao presente caso, o Ministério Público requereu a condenação dos requeridos na obrigação de fazer consistente na apresentação de PRAD, e na obrigação de recompor a área destruída. Nestes termos, verifico que a condenação em reparar o dano e custear toda a recomposição da área alcança o objeto da Lei ambiental”, concluiu.

Contra a decisão ação civil pública, cabe recurso.

O pai dos requeridos também já foi denunciado por desmatamento ilegal de 163 hectares, mas no Supremo Tribunal Federal, a ministra Cármen Lúcia determinou o arquivamento do inquérito por prescrição.

O caso começou a ser investigado no Ministério Público de Rondônia, mas foi parar no Superior Tribunal de Justiça quando Cassol virou governador. Em 2011, o processo acabou indo para o Supremo por ter sido eleito senador.

Em outro processo o senador foi condenado à unanimidade no Supremo por crime contra lei de licitações, com pena de quatro anos e oito meses de prisão no regime semiaberto. Por um pedido de vistas sobre a possibilidade de redução da pena, aguarda conclusão do julgamento.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    joão bosco 18/10/2017

    so existe duas maneira de ficar rico em rondonia crime ambiental ou politico. quanto ao ambiental é sabido por todo das tragédia cometida pelo pai , infelizmente os processo não andam e quando andam tem outra pespectivas socialmente correta. os tres podere vivem para privatizar lucro e socializar miséria e o povo pagando a contas das orgia politica e dos planos miraborante.

  • 2
    image
    franco da rocha 17/10/2017

    MAS SERIA DIFERENTE FILHOS DE QUEM É, CLARO QUE NÃO, MAS A JUSTIÇA TA CHEGANDO LÁ.

  • 3
    image
    MOACIR 17/10/2017

    GRANDE CONDENAÇÃO MM JUIZ ! É POR ESTA E OUTRAS QUE ELES CONTINUAM A DESMATAR E COMETER CRIMES AMBIENTAIS E NADA ACONTECE.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook