Impeachment numa hora desta?

"A extensão do seu mandato só contribui para aumentar o número de mortos pela pandemia e de sofrimentos pela miséria, a fome, o desemprego e a precariedade em que vive a maioria da população brasileira", escreve o sociólogo Emir Sader. "Não é necessário esperar as eleições daqui a mais de um ano, com todo o seu regueiro de mortes e sofrimentos"

Emir Sader
Publicada em 03 de julho de 2021 às 18:33
Impeachment numa hora desta?

Embora posição aceita de maneira generalizada, diante da debacle de apoio e da catástrofe da ação e declarações do Bolsonaro, há quem divirja da apresentação, nesta hora do super pedido de impeachment.

Alegam que, não havendo os dois terços, neste momento, para a derrubada do Bolsonaro, seria uma iniciativa inócua e que, até o favoreceria, pela rejeição pelo Congresso do pedido de impeachment. Poderia aparecer como uma declaração de inocência do Bolsonaro a falta de dois terços para condená-lo no Congresso.

Embora se aceite as dificuldades de obter, neste momento, os dois terços, que levariam ao impeachment, é importante, adequada e oportuna a apresentação, por várias razões.

Em primeiro lugar, para atualizar e concretizar para grande parte da população, da necessidade de um impeachment, porque o Bolsonaro não está em mínimas condições de ser presidente do Brasil. Que a extensão do seu mandato só contribui para aumentar o número de mortos pela pandemia e de sofrimentos pela miséria, a fome, o desemprego e a precariedade em que vive a maioria da população brasileira.

Em segundo lugar, porque é necessário afirmar que há uma saída para a crise atual, que não é necessário esperar as eleições daqui a mais de um ano, com todo o seu regueiro de mortes e sofrimentos. Há uma via institucional, mesmo no marco atual de um regime autoritário, para derrubar um governo que não somente tem um apoio minoritário da população – baixou para a casa dos 20% -, mas, principalmente, porque sua permanência é desastrosa para o povo e para o país.

Em terceiro lugar, porque mesmo se não chegue à votação ou se chegue e não obtenha os dois terços.

Emir Sader

Colunista do 247, Emir Sader é um dos principais sociólogos e cientistas políticos brasileiros

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Bolsonaro desmoraliza o impeachment

Bolsonaro desmoraliza o impeachment

"A desmoralização do impeachment como peça da estrutura institucional brasileira não começou com Bolsonaro. Não foi ele quem a iniciou, embora se tornasse seu principal beneficiário. No vácuo criado pela deposição de Dilma, a campanha contra o PT e perante o veto dos generais à candidatura de Lula, a direita foi viabilizada e quem lucrou foi o capitão", diz