Minha cidade precisa de...

Minha cidade precisa de mais amor, coisa muito rara de ser demonstrada pelos seus ingratos moradores. Precisa de mobilidade urbana, rede de esgotos, recantos de lazer e não de letreiros estúpidos para ludibriar eleitores idiotas como os que fizeram em vários pontos.

Professor Nazareno*
Publicada em 16 de agosto de 2018 às 08:25

De tudo. A minha cidade é um lugar perdido no tempo e no espaço. Além de feia é imunda e fedorenta. Muito fedorenta. Precisa de tudo para ser pelo menos
comparada a uma cidade de verdade. Daquelas da Europa, dos Estados Unidos ou mesmo do sul do Brasil. Com pouco mais de 500 mil habitantes e ainda muito jovem com apenas um século de existência, a minha cidade é uma das antessalas do inferno. Essa minha cidade até o diabo enjeitaria e jamais gostaria de morar nela, mesmo que tivesse muitas almas à sua disposição. Sempre foi muito mal administrada desde os tempos de sua criação no início do século passado. Nasceu por acaso e ainda hoje não se sabe o fato real que deu nome a uma das piores capitais do Brasil para se viver. Curva de rio, nela aporta toda qualidade de gente sem o menor amor ao lugar. Um velho oeste.

Sem água tratada, sem esgotos, sem saneamento básico, sem coleta seletiva de lixo, sem arborização, sem praças, sem recantos de lazer e quente feito o purgatório, a minha cidade agoniza agora no verão com a fumaça das criminosas queimadas e da poeira sufocante. Porém, as autoridades eleitas para administrar o lugar procuram compensar a incompetência com engodos e enganações para iludir trouxas e simplórios. Por isso, muitos moradores creem cegamente que moram numa cidade civilizada, com boa mobilidade urbana e com infraestrutura adequada. Imaginem se eles morassem numa cidade de verdade onde quase tudo funcionasse. Durante as eleições, por exemplo, muitos de seus moradores brigam por causa dos seus candidatos. Nas convenções partidárias, eles se pegam na tapa por causa de seus políticos de estimação.

Minha cidade precisa de mais amor, coisa muito rara de ser demonstrada pelos seus ingratos moradores. Precisa de mobilidade urbana, rede de esgotos, recantos de
lazer e não de letreiros estúpidos para ludibriar eleitores idiotas como os que fizeram em vários pontos. Como no restante do Brasil, pelo menos 80 por cento dos moradores desta minha cidade são ignorantes, porcos e só servem como massa de manobra para os ambiciosos e astutos políticos de plantão. Minha cidade não tem um porto decente, uma rodoviária que preste e um hospital de pronto socorro. O acanhado aeroporto, que dizem ser internacional, só faz voos para dentro do Brasil mesmo. Se pelo menos um dos políticos que administrou a “currutela fedida” fosse filho dela, talvez não tivéssemos a triste sina de ter o satanás como protetor. A minha cidade é o próprio inferno na terra.

Última dobra do esfíncter anal, ela não tem importância nenhuma na triste realidade do país. É um lugar ermo, sem eira nem beira onde nenhum turista de bom
senso desejaria visitá-la. Vir à minha cidade só se for a negócios. E negócios rentáveis. Ou então para ser candidato a algo. Minha cidade não tem nenhum atrativo turístico e seus políticos são quase todos mentirosos, incompetentes, ladrões e encantadores de jumentos. Mas são todos amados e idolatrados pelos eleitores. Na minha cidade não tem cultura, não tem lazer, não tem esportes, não tem mobilidade urbana, não tem educação de qualidade e não tem saúde pública. Mas tem muita violência, pobreza e ignorância. Sua rotina é lama ou poeira. Seus moradores dizem que odeiam a corrupção, mas raramente votam em políticos honestos. Seu nome devia ser “Meia-Boca”, pois quase tudo dela foi “feito nas coxas”. E ela é uma capital. Agora só falta a Anitta cantar nela.

*É Professor em Porto Velho.

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Candidatura de Acir é cadastrada no TRE

Candidatura de Acir é cadastrada no TRE

Também foram cadastradas as candidaturas de Jesualdo Pires (PSB) e Carlos Magno (PP) ao Senado Federal, completando a coligação majoritária. A coligação proporcional encabeçada por Acir Gurgacz conta com 18 candidatos a deputado federal e 148 candidatos a deputado estadual.