Olhando de Israel para a Amazônia

Permito-me então imaginar essa cultura israelense se aplicando à gestão do espaço geográfico da Amazônia brasileira, a começar pela agricultura, um dos aspectos econômicos mais desenvolvidos em Israel

David Pinto Castiel
Publicada em 15 de junho de 2021 às 15:57

Serviram como atrativos para o estabelecimento dos colonos que fundaram o moderno Estado de Israel a partir de 1948.

O povo Judeu conseguiu fazer o deserto florescer, possibilitando exportar laranjas, flores e legumes para diversos países. Outro relevante aspecto que desperta encanto em Israel é o importante centro de alta tecnologia, de nível mundial, chegando a enviar seus próprios satélites para o espaço, tornando-se também uma potência nuclear.

Nos campos de Ciência e Tecnologia, Israel está entre os mais desenvolvidos do mundo. Apesar de sua recente história e de seu pequeno tamanho, o Estado de Israel é, cada vez mais, visto como um centro de inovações utilizadas em escala global. Através de instituições educacionais de ponta e de uma ampla rede de empresas start-ups, Israel vem se destacando graças a invenções e inovações que rapidamente se espalham pelo mundo.

Todo esse cenário nasce da ideia prioritária de agenda, onde o país é um dos que mais investem em Pesquisa e Desenvolvimento em relação ao seu Produto Interno Bruto e, em proporção ao tamanho da mão-de-obra, é o que ostenta o maior número de autores publicados nos campos das ciências naturais, engenharia, agricultura e medicina. Dezenas de cidadãos israelenses foram laureados com o Prêmio Nobel em diferentes áreas.

Não para por aí. Israel tem um dos exércitos mais poderosos do planeta, uma igualmente poderosa força aérea, um Estado dotado de uma economia que movimenta milhões de dólares com exportações impulsionadas por empresas multinacionais, como Intel, Microsoft e IBM, presentes em Israel e desenvolvendo produtos para o mundo todo.

E daí vem a indagação: como um país fincado em um minúsculo espaço geográfico,  encravado em meio ao deserto, pode se equiparar e estar no mesmo nível que os Estados Unidos, que têm mais de 330 milhões de habitantes, Rússia, com 200 milhões de habitantes, e China, que tem aproximadamente 1.4 bilhão de habitantes.

Israel é um dos pioneiros na utilização da técnica de dessalinização. A água do mar, de aquíferos e até mesmo a água de esgoto são submetidas ao processo de dessalinização e purificação, o que as torna potáveis e, portanto, próprias para o consumo. Em usinas, á água salobra passa por membranas que ficam dentro de tubos. E mais: Israel faz reuso de até 95% da água resultante do tratamento de esgoto, investindo muito em novas tecnologias, como filtros aprimorados de membranas e infiltração de água nos aquíferos.

Não se pode deixar de mencionar ainda as lições de Israel como exemplo mundial no combate à Covid-19. Com empenho do governo, planejamento e adesão popular, o país avançou rapidamente para a imunização de toda a sua população adulta e se tornou paradigma de enfrentamento da Pandemia que assola o mundo.

Em meados de abril deste ano, tomei a decisão de passar um período em Israel, movido principalmente pelo desejo pessoal de resgate de minha origem judaica. Antes, porém, havia já iniciado um longo período de reconhecimento da cidadania israelense, tendo que comprovar a origem judaica de meus ancestrais e me submeter a um necessário e legítimo processo perante as autoridades de Israel.

É impossível, nós brasileiros, chegando em Israel, logo de início não estabelecermos um vínculo afetivo e de profunda admiração com os valores, hábitos e costumes desse país de tão grande importância no contexto mundial, ainda que seu território seja maior apenas do que o de duas unidades da Federação brasileira: Sergipe e o Distrito Federal!

Então nos vem em mente a primeira comparação: de um lado Israel, um país com 9,3 milhões de habitantes e um território de 22.145 km2, e de  outro lado, o Brasil, com uma população de 214 milhões e 8,5 milhões de km2. E o que logo nos leva a pensar, residindo em Israel, é o visível respeito ao interesse social e a tradição do país na superação de crises que perpassam questões religiosas, escassez de recursos hídricos, espaço geográfico pequeno, constantes cenários de conflitos e guerras.

O povo judeu, desde seus primórdios, se notabiliza pela capacidade de reagir às situações de pressão sempre com extrema resiliência! Por mais que pareça paradoxal, em Israel a segurança é visivelmente sentida. É evidente que aqui não se pretenderá entrar em detalhes a respeito dos conflitos e seus reais motivos na fronteira com a faixa de Gaza e arredores; sendo certo que, nesse aspecto, se Israel não fosse referência mundial na área da defesa de seu território e sua segurança interna, já teria sucumbido ante o volume expressivo de ataques de mísseis e foguetes. Em Israel, de regra, anda-se a qualquer hora do dia com a sensação de absoluta segurança e tranquilidade.

Enfim, como individuo nascido no Brasil, nos rincões da Amazônia, com formação tão distinta dos que vivem em Israel, vem-me o desejo de buscar entender por que Israel dá tão certo. Logo vem à mente a postura de serenidade das pessoas e sua absoluta confiança em Deus, mesmo diante de conflitos intermináveis.

Permito-me então imaginar essa cultura israelense se aplicando à gestão do espaço geográfico da Amazônia brasileira, a começar pela agricultura, um dos aspectos econômicos mais desenvolvidos em Israel, que tem se revelado grande exportador de produtos hortícolas e frutícolas, sendo líder mundial em pesquisa agrícola, apesar de sua geografia extremamente hostil à prática das atividades agrícolas.

Mais da metade do país é composta de solos desérticos, com pouquíssima incidência pluviométrica e um clima hostil. Apenas 20% das terras de Israel são aráveis. No país há dois tipos exclusivos de comunidades agrícolas, o kibbutz e o moshav. Ambos os sistemas foram desenvolvidos nos primórdios da imigração judaica para a antiga Palestina, no século XIX. E serviram como atrativos para o estabelecimento dos colonos que fundaram o moderno Estado de Israel a partir de 1948.

O povo Judeu conseguiu fazer o deserto florescer, possibilitando exportar laranjas, flores e legumes para diversos países. Outro relevante aspecto que desperta encanto em Israel é o importante centro de alta tecnologia, de nível mundial, chegando a enviar seus próprios satélites para o espaço, tornando-se também uma potência nuclear.

Nos campos de Ciência e Tecnologia, Israel está entre os mais desenvolvidos do mundo. Apesar de sua recente história e de seu pequeno tamanho, o Estado de Israel é, cada vez mais, visto como um centro de inovações utilizadas em escala global. Através de instituições educacionais de ponta e de uma ampla rede de empresas start-ups, Israel vem se destacando graças a invenções e inovações que rapidamente se espalham pelo mundo.

Todo esse cenário nasce da ideia prioritária de agenda, onde o país é um dos que mais investem em Pesquisa e Desenvolvimento em relação ao seu Produto Interno Bruto e, em proporção ao tamanho da mão-de-obra, é o que ostenta o maior número de autores publicados nos campos das ciências naturais, engenharia, agricultura e medicina. Dezenas de cidadãos israelenses foram laureados com o Prêmio Nobel em diferentes áreas.

Não para por aí. Israel tem um dos exércitos mais poderosos do planeta, uma igualmente poderosa força aérea, um Estado dotado de uma economia que movimenta milhões de dólares com exportações impulsionadas por empresas multinacionais, como Intel, Microsoft e IBM, presentes em Israel e desenvolvendo produtos para o mundo todo.

E daí vem a indagação: como um país fincado em um minúsculo espaço geográfico,  encravado em meio ao deserto, pode se equiparar e estar no mesmo nível que os Estados Unidos, que têm mais de 330 milhões de habitantes, Rússia, com 200 milhões de habitantes, e China, que tem aproximadamente 1.4 bilhão de habitantes.

Israel é um dos pioneiros na utilização da técnica de dessalinização. A água do mar, de aquíferos e até mesmo a água de esgoto são submetidas ao processo de dessalinização e purificação, o que as torna potáveis e, portanto, próprias para o consumo. Em usinas, á água salobra passa por membranas que ficam dentro de tubos. E mais: Israel faz reuso de até 95% da água resultante do tratamento de esgoto, investindo muito em novas tecnologias, como filtros aprimorados de membranas e infiltração de água nos aquíferos.

Não se pode deixar de mencionar ainda as lições de Israel como exemplo mundial no combate à Covid-19. Com empenho do governo, planejamento e adesão popular, o país avançou rapidamente para a imunização de toda a sua população adulta e se tornou paradigma de enfrentamento da Pandemia que assola o mundo.

Os exemplos positivos seguem visíveis em Israel, como, por exemplo, a eficiência do serviço público, praticamente todo no formato de atendimento digital; transporte público integrado, com ônibus e trens impecáveis na pontualidade, limpeza e todo ele planejado e de fácil acesso por aplicativos próprios.

Evidente que não se está a dizer do equívoco em se pretender comparar dois países com realidades políticas, econômicas e sociais tão distintas — e de tamanho e ordem de grandeza diferentes — como Brasil e Israel, civilizações, nações e povos com parâmetros tão diversos. É absolutamente impossível qualquer comparação sobre espaços e características geográficas e geopolíticas sob dimensões tão díspares!

Por todo esse relevante cenário descrito e que não esgota a abordagem – que seguirá oportunamente – é que nós, brasileiros, a partir dos exemplos de Israel, precisamos repensar o uso e a exploração adequada dos recursos naturais que dispomos em abundância e priorizar uma agenda positiva e planejada, visando a abrir portas para o comércio exterior, com foco no viés da sustentabilidade, em especial, em relação aos produtos amazônicos ecologicamente corretos, nada sendo possível se fazer ou mesmo tentar tal iniciativa sem prioridade em investimentos no capital intelectual, tecnológico e científico, maior legado de aprendizado que tenho experimentado na convivência com o Povo Judeu.

Viva a Eretz Yisrael!

David Pinto Castiel, porto-velhense, é advogado, curador do Centro de Estudos e Pesquisas de Direito e Justiça

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    edgard feitosa 16/06/2021

    Artigo irrefutável! análise completa sob todos os ângulos; simplesmente deve-se dizer que o mundo está alicerçado em quatro judeus: 1) Moshe, o maior de todos os profetas e monoteísta em YHVH; 2) Karl Marx, depois dele tudo mudou na economia; 3) Sigmund Freud, que nos revelou o papel do inconsciente na psicanálise, e 4) Albert Einstein, e o mundo admirável da física quântica; Shalom

  • 2
    image
    PAULO 16/06/2021

    A resposta é simples !!. É só procurar na Bíblia Sagrada a origem da Terra Santa.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook