Parabéns, prefeito e governador!

Decidiram também que qualquer verba disponível será (?) investida nas áreas da saúde e da educação do município e do Estado.

Professor Nazareno*
Publicada em 07 de janeiro de 2019 às 08:58
Parabéns, prefeito e governador!

O prefeito de Porto Velho Dr. Hildon Chaves e o recém-eleito governador do Estado coronel Marcos Rocha tomaram recentemente uma heroica decisão: não vão colocar dinheiro público para patrocinar o Carnaval de Porto Velho em 2019. Decidiram também que qualquer verba disponível será (?) investida nas áreas da saúde e da educação do município e do Estado. Para se ter uma ideia, as escolas de samba daqui pediram à prefeitura “somente” meio milhão de reais para sair às ruas. Um acinte, uma piada de mau gosto, um desrespeito aos contribuintes. Um Estado cuja capital tem um “açougue” como o João Paulo Segundo não pode mesmo investir um só centavo público numa festa que só serve para sujar as já emporcalhadas ruas. Uma cidade como Porto Velho, a pior dentre as capitais do Brasil em IDH, não pode gastar dinheiro com orgia.

Porto Velho e Rondônia não têm cultura. Aliás, nunca tiveram. E não adianta citar a Sociologia, a Filosofia ou a Antropologia para dizer o contrário. Tudo aqui é cópia, e muito mal feita, do que acontece lá fora. O Carnaval daqui é uma porcaria que não chega nem aos pés do que acontece no Rio de Janeiro. O mês de junho é uma desgraça só, que sequer imita Parintins ou mesmo Manaus. Festas juninas iguais a Campina Grande na Paraíba nem em sonho. Futebol, se esta bobagem for cultura, também não existe por aqui. Só um tal de Genus faz a alegria de cinco ou seis torcedores. Aqui só se torce pelos times de fora. Então, para que se gastarem milhões em reais com estádios ou estrutura desportiva? Até o “ginásio de esportes” da cidade, o Cláudio Coutinho, tem servido para tudo menos para a verdadeira prática de esportes.

Não tenho nada contra o Carnaval, o São João, a quadrilha, o boi, o futebol ou outra “manifestação cultural” qualquer. Elas têm que existir e em alguns casos até divertem as pessoas. Mas tudo tem que ser bancado com o seu próprio dinheiro. Agora, se não têm recursos para existir, que desapareçam e deixem o Erário em paz. Não sei se a famosa banda consegue sobreviver sem verbas oficiais. Se conseguir, ótimo. Desfile com os seus brincantes e dê estrutura para todos eles. Nada de sujar e emporcalhar as já imundas ruas com lixo, imundície, sujeira e depois não mandar limpar nada. O Poder Público, na maioria dos casos, oferece a rua, a polícia para fazer segurança e ainda tem seus horrorosos hospitais entupidos de gente baleada, esfaqueada e ferida por acidentes de trânsito, tudo consequência da folia. Verbas para educação e saúde é o mais correto.

Porém, tomara que essa verba seja mesmo investida nessas áreas tão carentes do nosso Estado e de nossa cidade. É preciso que haja fiscalização. Chega de “açougue” e de UPAS sem remédios e médicos. Não votei em nenhum dos dois, mas sou obrigado a admitir que eles estão certíssimos nesta decisão. Agiram como estadistas de Primeiro Mundo: primeiro as necessidades, depois as festas e o supérfluo. A tal “Marcha para Jesus” se recebe ajuda oficial, essa prática tem que ser abolida também. Da mesma forma, nada contra a religião de ninguém. Mas é preciso se levar em conta que não há nada mais rico e cheio de dinheiro do que essas Igrejas. Claude Lévi-Strauss, antropólogo franco-belga, disse que se quiser acabar com um povo, basta acabar com a sua cultura. Em Porto Velho e em Rondônia acontece o contrário: se acabar essas tolices, salvará esse povo do desperdício e da miséria. E lhe dará uma melhor existência.

 

 *É Professor em Porto Velho.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Carlos Henrique de Jesus Lobato de Souza 08/01/2019

    Caríssimo professor,sei que a liberdade de expressão é ato legítimo da democracia.Também sou contra repasses de recursos públicos em detrimento da saúde,da educação,da segurança e outras atribuições do serviço público,mas não posso tolerar de um educador palavras ofensivas à sociedade rondoniense.Se o senhor não gosta de nossa terra vá embora , pois aqui só deve ficar quem tem amor e que contribui de forma positiva para o desenvolvimento da cidade de Porto Velho e de Rondônia.Nossa terra acolhe pessoas boas e outras nem tanto.Rondônia é um Estado em formação e nós que vivemos aqui, temos a obrigação de contribuir de forma positiva.Viva Porto Velho!viva Rondônia!

  • 2
    image
    Aparecido Lucas 07/01/2019

    Atitude conveniente, parabéns Governador e Prefeito, quem goste desse tipo de festa que pague  por ela, dinheiro público é pra gerir com competência a Saúde, Educação, segurança pública, em fim dar o retorno a quem paga impostos que neste pais não é pouco.

  • 3
    image
    j paulo 07/01/2019

    Assim que tem que ser feito, pelo que se sabe a funcultural já vem realizando muitos eventos culturais com apoio do empresariado local que acreditam na valorização dos artistas locais sem necessidade de gastar dinheiro publico com caches milionarios de artistas famosos. Certo também não passar recursos para marchas de genero ou religiosas, pois muitos organizadores sao politicos. Em outros estados, inclusive em Salvador, os blocos pagam para desfilar nas avenidas, aqui todos querem dinheiro publico O carnaval já poderia se profissionalizar, os organizadores trabalhar o ano todo realizando eventos para arrecadar grana. O boi bumba a mesma coisa, todo mundo inventa uma agremiação e fica de pire nas mãos, pq não polarizam os brincantes como parintins, dai o negocio vai pra frente. Isso vale tb para entidades ditas sem fins lucrativos, nas areas sociais, esporte, ambiente e etc que se não tiver dinheiro publico não fazem nada, os "donos" sua familia e amigos vivem do dinheiro publico. Tem que acabar com essa mamata mesmo. O prefeito tá correto, e acertou na escolha do assessor cultural com criatividade e iniciativa. Assim que deve ser feito. Qtos aos votos, são meia dúzia que se aproveitam dessa grana e ficam choromingado p seus brincantes que ja gastaram muito. Pegam grana publica e o brincante ainda tem que pagar pela fantasia. Entao o prefeito deve é ganhar a simpatia do eleitor se melhorar o atendimento na saúde. Os brincantes desses blocos nem sabe que quem banca o carnaval é o poder publico. Ver se vão ter coragem de falar para os afiliados que não terá carnaval porque a prefeitura e o governo do estado não deram grana? Essa cultura do comodismo de ficar esperando pelo poder publico tem que acabar. Dai sim, pvh pode ficar sem cultura.

  • 4
    image
    petista 07/01/2019

    É isso mesmo. Sou do lugar do carnaval ,Nordeste , e nunca cai na folia porque acho uma festa deprimente, gente enfeitada parecendo o satanás.kkkkkkkkkk

  • 5
    image
    sincero 07/01/2019

    FOI UMA DECISÃO MUITO BEM ACEITA, ESSE CORTE DE VERBAS PARA ESSE TAL DE CARNAVAL. É MUITO DINHEIRO APLICADO E NINGUÉM PRESTA CONTA DE NADA. É MESMO QUE REPASSE PARA DEPUTADOS, VAI DINHEIRO, HAJA DINHEIRO E NINGUÉM TAMBÉM NÃO PRESTA CONTA DE NADA. É UMA TAL DE EMENDA PARLAMENTAR QUE TEM TANTA GENTE SE DANDO BEM. O SR GOVERNADOR DEVERIA TER FEITO UMA LIMPEZA GERAL EM TODAS SECRETARIAS EXONERANDO TAMBÉM TODOS GERENTES E DIRETORES QUE A TEMPO ESTÃO NOS CARGO MAMANDO GRANA E NINGUÉM QUER DEIXAR A TETA DA VAQUINHA MOCOCA. COMENTA-SE QUE TEM GERENTE LÁ PELA FIN, QUE SÓ CHEGA 9 10 HORA E SE ACHA O MÁXIMO. QUEM É FORNECEDOR SABE DE TUDO ISSO.

  • 6
    image
    Drica 07/01/2019

    Concordo Plenamente. Parabéns aos dois Governantes.

  • 7
    image
    Carlson Lima 07/01/2019

    PROFESSOR BOM DIA, DIFÍCIL SERÁ O SENHOR FAZER UMA SOCIEDADE DOENTE E IGNORANTE ENTENDER SEUS DEBOCHES CONTRA O PODER PÚBLICO. PARABÉNS!

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook