Acir Gurgacz pede desburocratização de crédito para pequenas e microempresas

O Palácio do Planalto barrou quatro dispositivos do projeto original (PL 1.282/2020), aprovado em abril pelo Congresso

Fonte: Agência Senado
Publicada em 21 de maio de 2020 às 18:44
Acir Gurgacz pede desburocratização de crédito para pequenas e microempresas

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) criticou, em pronunciamento nesta quinta-feira (21), os vetos do Executivo à lei que concede uma linha de crédito para pequenas e microempresas enfrentarem os efeitos da pandemia do novo coronavírus (Lei 13.999, de 2020). O Palácio do Planalto barrou quatro dispositivos do projeto original (PL 1.282/2020), aprovado em abril pelo Congresso.

Entre os vetos criticados pelo senador está o que acaba com a carência de oito meses para os empresários começarem a pagar o empréstimo, e o que proibia os bancos de negarem a contratação dos empréstimos as empresas que estiverem com restrições.

— Essa carência de 8 meses é fundamental para que as empresas possam se erguer e se reinventar. Se muitas empresas estão paradas ou com poucas atividades não estão tendo receita, estão sem renda, e as despesas fixas continuam. Portanto, como vão conseguir empréstimo logo no mês seguinte de o mesmo ser contratado? Isso é impossível. Ora, quem não está com restrição não precisa tanto de acesso ao crédito nesse momento. São justamente as empresas que estão passando por dificuldades que precisam de um credito facilitado — disse.  

Segundo o senador, parlamentares estão trabalhando pela derrubada do veto. Gurgacz salientou que se o veto for derrubado não será por oposição ao governo, e sim, para facilitar a vida dos microempreendedores.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

O crime da cloroquina

O crime da cloroquina

Para a jornalista Tereza Cruvinel, na medida em que as pessoas são convencidas de que existe um "remédio" para Covid-19, as pessoas vão relaxar. "Principalmente os pobres, que não podem mais ficar em casa sem ganhar o que ganhavam, geralmente com bicos, biscates, diárias, vendas ambulantes"

Ciro e sua retórica do ódio

Ciro e sua retórica do ódio

"Espero que Ciro Gomes reflita sobre suas afirmações, elas não condizem com sua trajetória de vida", escreve o jornalista Florestan Fernandes Jr., do Jornalistas pela Democracia, após o ex-ministro ter chamado sites progressistas de "gabinete do ódio"