Deputado Anderson defende a intervenção do Estado no controle das facções e alerta para automutilação e a violência contra a mulher

Anderson Pereira participou do Encontro Nacional dos Legisladores Estaduais, na última quinta-feira (13) em Manaus.

Hallann Nascimento/Assessoria - ALE/RO - DECOM - Foto: Assessoria
Publicada em 15 de junho de 2019 às 10:17
Deputado Anderson defende a intervenção do Estado no controle das facções e alerta para automutilação e a violência contra a mulher

O deputado estadual Anderson Pereira (Pros) participou do Encontro Nacional dos Legisladores Estaduais, na última quinta-feira (13) em Manaus e abordou vários assuntos de interesse da sociedade, defendendo sua principal bandeira que é a segurança pública e a tomada do controle por parte do Estado nos presídios rondonienses. 

A abordagem aconteceu durante discurso em um grupo de trabalho que tratou sobre a Implementação e Financiamento do Sistema Único de Segurança Pública, no Seminário Regional de Promoção e Defesa da Cidadania, promovido pela União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale). O evento foi realizado na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALEAM) e reuniu deputados de todo o Brasil. 

O seminário faz parte de um ciclo de encontros realizados pelo colegiado da Unale para ampliar a discussão, disseminar informações de dados de relevância nacional em todas as casas Legislativas Estaduais acerca das principais bandeiras da entidade nesta gestão. 

O parlamentar, que também é presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Rondônia, cobrou participação firme do Governo Federal junto aos estados e mais investimento como o uso das forças armadas nas fronteiras dos estados que contemplam a Amazônia Legal. 

“Eu sei onde está instalado o quartel general do crime organizado em cada Estado brasileiro, dentro de cada presídio deste país, é de lá que eles comandam todas as ações contra a sociedade, assaltos, entrada de droga, morte de policiais, ataque a órgãos públicos e, porque não tomamos o controle daquilo que está na mão do Estado que são os presídios, temos como exemplo o Estado do Ceará que tomou o controle do sistema penitenciário com ações simples e estatisticamente tomou de volta o poder e a criminalidade diminuiu consideravelmente”, pontuou Anderson Pereira. 

O deputado destacou ainda que o Estado tome ações emergentes para o controle definitivo da ordem nas penitenciarias estaduais, impedindo que se instale o crime organizado. O sistema prisional acaba retroalimentando os batalhões que lutam numa guerra cada vez mais brasileira: a das facções criminosas. As facções são um resultado óbvio da expansão maciça do aparato prisional, conjugada com a crescente degradação e violação de direitos nesses ambientes. Dessa realidade, emergem grupos que afetam a sociedade de um modo geral. ”Espremidas atrás das grades, as facções aproveitam cada brecha aberta pelo poder público. Nascem, crescem e se multiplicam à medida que mais detentos são colocados para dentro das cadeias. ”, afirmou. 

Durante o evento, outros temas também foram discutidos em grupos de trabalho um sobre a violência contra a mulher e o outro sobre o suicídio e automutilação. Os dois assuntos têm ganhado repercussão em todo o Brasil. “ 

“Nossa bandeira contra é contra o suicídio, uma epidemia, somos o 8º país no mundo de acordo com a Organização Mundial de Saúde e estamos próximo de pular para o 4º lugar. A cada 45 minutos, uma pessoa se suicida no Brasil. A respeito da automutilação, cerca de 14 milhões de adolescentes estão se mutilando no Brasil, a sociedade precisa abrir os olhos para essa realidade e discutir o assunto. Já no que se refere a violência contra a mulher também é algo preocupante e tem crescido assustadoramente, precisamos combater com duras penas contra os agressores que a maioria das vezes ficam impunes”, finalizou o parlamentar.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Altemir Roque 16/06/2019

    ... intervenção do estado no controle das facções....o deputado poderia explicar esse pleonasmo descabido. Afinal, é ou não obrigação do estado cuidar da segurança pública? Agora intervenção do estado no controle das facções dá a ideia de de que o estado tem que intervir... explica aí deputado

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook