E agora, excelência?

Não sou juiz. Só há um. Deus, o justo. Não me cabe julgá-lo. Essa tarefa compete somente ao Todo Poderoso. Prefiro esperar o desenrolar dos acontecimentos, pois, como já disse alguém, o tempo é o senhor da razão, mas não posso esconder a minha decepção

Valdemir Caldas
Publicada em 23 de janeiro de 2020 às 16:45
E agora, excelência?

Manhã de quarta-feira, 22 de janeiro. Após minha reflexão matinal sobre o Salmo 15, acessei o whatsapp, na página do ativista politico Carlos Caldeira, e lá estava: “PF na ALE”. Surpresa? Nenhuma! Afinal, não é de hoje que a Assembleia Legislativa de Rondônia é alvo de operações desencadeadas pelo Ministério Público do Estado de Rondônia, com a participação da competente Policia Civil. Tantas já foram as operações, que chega a ser até difícil guardar o nome de todas elas na memória.

Recorri ao Tudo Rondônia para me inteirar a respeito do assunto. A matéria, produzida pela assessoria de comunicação do MPRO, falava apenas de um deputado envolvido em um esquema de ressarcimento indevido de gastos com saúde, sem, contudo, citar o nome do parlamentar. Fui para o Rondoniaovivo, e não descobrir a identificação do politico. Voltei ao Tudo Rondônia. Dessa vez, lá estavam escancarados não somente o nome como também a foto do deputado Marcelo Cruz, como pivô da operação intitulada “Dissimulação”, cuja expressão, de tão óbvia, nem precisa dizer o significado.

Fui tomado por um misto de surpresa e decepção. Logo o Marcelo Cruz. Por quê? Ele sempre me pareceu um politico correto, um cristão temente a Deus e uma pessoa cordata. Eu o conheci quando de sua passagem pela Câmara Municipal de Porto Velho. Ele foi presidente de uma das Comissões mais importantes da Casa, qual seja a Comissão de Constituição, Justiça e Redação. Como orador, Cruz tinha um discurso equilibrado, conciso, mas preciso, longe dos frequentes arroubos demagógicos, tão ao gosto de políticos vendilhões.

Certa vez, ele me disse que disputaria uma das vinte e quatro cadeiras da ALE/RO.  Incentivei-o a levar adiante seu projeto politico, acrescentando que ele teria chances reais de vitória, considerando a popularidade de que desfruta no meio evangélico, como de fato aconteceu. Não participei de sua campanha, tampouco votei nele. Já disse (e repito) que não participo de campanhas eleitorais, nem tenho compromisso politico com ninguém. Divulgado os resultados das urnas, eu o parabenizei pelo êxito logrado em sua empreitada, acreditando que, uma vez na Assembleia Legislativa, ele dedicaria integralmente seu mandato à defesa dos legítimos interesses da população, especialmente dos segmentos mais injustiçados. Errei?

E agora, excelência? Não sou juiz. Só há um. Deus, o justo. Não me cabe julgá-lo. Essa tarefa compete somente ao Todo Poderoso. Prefiro esperar o desenrolar dos acontecimentos, pois, como já disse alguém, o tempo é o senhor da razão, mas não posso esconder a minha decepção. O placar do jogo está de goleada para o Ministério Público de Rondônia, que não tem o péssimo hábito da tergiversação, muitos menos costuma atirar a esmo. Nada passa incólume à análise criteriosa de profissionais da mais alta competência. Eles estudam, analisam, pesquisam, reúnem informações, à miúde, sobre os assuntos objetos das investigações, antes de qualquer decisão. Comparo o MPRO a um animal de garras afiadíssimas que, quando não mata sua presa na primeira investida, deixa-a mutilada para o resto da vida. Espero que o senhor consiga provar sua inocência. Caso contrário, restar-lhe-á o caminho doloroso rumo ao ostracismo.  

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Josemar Freire Botelho 25/01/2020

    Esse sujeito metido a articulista é uma graça mesmo. Outro dia ele defendeu ferrenhamente a privatização da Ceron e deu no que deu. É um dos culpados pela Energisa ter-se instalado em Rondônia. Um imbecil que não enxerga um palmo à frente do nariz. Agora está dizendo que a Polícia Civil de Rondônia é competente. Só se for competente para ajudar a mesma Energisa. Que puxação de saco mais absurda. Esse cara é um debiloide. Isso sem falar nos erros grosseiros de Português nisso que ele ser um texto. O cara não percebe que esse Marcelo Cruz e muitos outros deputados serão eleitos e reeleitos quantas vezes quiserem, pois têm um gado inteiro a sua disposição. Valdemir Caldas também é gado.

  • 2
    image
    Adilson Souza 24/01/2020

    CASSAÇÃO PRA ELE.

  • 3
    image
    GUSTAVO OLIVEIRA 24/01/2020

    Sabe quando a ALE/RO passou ser visitada com frequencia pela PF? Quando o presidente era o nefasto Natanael e o poder judiciario determinou busca e apreensão em alguns gabinetes e o machão deputado Carlão, em tom ameaçador disse pelas tvs em entrevistas que ninguem iria entrar na Ale E ELE ASSIM PROCEDEU, INCLUSIVE SAIA MUITA FUMAÇA DO PREDIO ANTIGO PORQUE ELES QUEIMARAM PROVAS. Resultado: Todos foram indiciados, presos e Carlão o machão até hoje foragido. Acabou sua vida por um arroubo. Acabou com a sua familia e sua carreira que não era um primor, era de muita força devido a corrupção desenfreada.

  • 4
    image
    Paulo 23/01/2020

    Na hora do pega vira santo. hipocrisia barata.

  • 5
    image
    Altemir Roque 23/01/2020

    Nesse caso, não cabe a Deus julgar o deputado fanfarrão, cabe a nós como eleitores julga-lo nas urnas nas próximas eleições. Agora nos cabe indignar e condenar esse gestão egoísta e irresponsável com o dinheiro alheio. Os fatos os julga.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook