Mitos e verdades sobre a relação entre Hipertensão e Covid-19

Entretanto, desde o início da pandemia, muitos estudos indicaram adequações aos procedimentos inicialmente sugeridos

Assessoria
Publicada em 10 de junho de 2021 às 11:28
Mitos e verdades sobre a relação entre Hipertensão e Covid-19

Desde o início da pandemia da Covid-19, pessoas com doenças crônicas estão em maior risco de contraírem o vírus e sofrem mais complicações dessas infecções. Os hipertensos estão entre os grupos que mais necessitam de observação atenta no quadro evolutivo da doença e tratamento criterioso e individualizado. Entretanto, desde o início da pandemia, muitos estudos indicaram adequações aos procedimentos inicialmente sugeridos.

O cardiologista Marcelo Sampaio, da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, esclarece alguns dos mitos e verdades mais disseminados sobre a relação entre a hipertensão e a Covid-19. 

1 - Pacientes hipertensos devem descontinuar o uso de medicamentos de controle da pressão para evitar agravamento da Covid-19

Mito

De acordo com o doutor Marcelo Sampaio, cardiologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, no início da pandemia do coronavírus, muito se especulou sobre a probabilidade de que os medicamentos inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) e os bloqueadores dos receptores de angiotensina (BRA) aumentassem a probabilidade de agravamento da Covid-19. “Estudos foram evoluindo e chegou-se à conclusão que os danos cardiovasculares da retirada desses medicamentos representariam tanto risco à vida quanto os casos de agravamento da Covid-19. Assim, o hipertenso jamais deve descontinuar o uso dessas medicações”. 

2 - A hipertensão aumenta a suscetibilidade à Covid-19

Verdade

O paciente hipertenso tem sim maior predisposição a uma evolução agravada da Covid-19, em função da imunidade debilitada pelos fatores circulatórios, por exemplo no caso da disfunção endotelial, cardiopatia em que os grandes vasos sanguíneos na superfície do coração se contraem em vez de se dilatarem.

Casos graves da Covid-19 são frequentemente caracterizados por hiperinflamação, desequilíbrio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA), que controla a pressão arterial, e uma forma particular de vasculopatia, microangiopatia trombótica e coagulopatia intravascular.

“Com a hiperinflamação progressiva, uma microangiopatia sistêmica pode levar à síndrome da disfunção de múltiplos órgãos, em especial o coração, os rins e o cérebro”, explica Sampaio. 

3 - A hipertensão tem aumentado com a pandemia

Mito

A hipertensão é uma doença genética, hereditária. Ela não é gerada pela inflamação provocada pela Covid-19. “O que pode ocorrer é que a pressão arterial do paciente hipertenso sofra elevações transitórias da pressão arterial em função do isolamento, estresse e outros fatores. Isso pode fazer com que ele precise ajustar a medicação algumas vezes”. 

4 - A queda da pressão em um hipertenso diagnosticado com Covid-19 é alarmante

Verdade

O paciente hipertenso, diagnosticado com Covid-19 deve ser observado com muita atenção, pelos motivos já mencionados. A análise criteriosa do acompanhamento desses casos é muito importante, já que que a pressão baixa é um indicativo de evolução ruim. 

5 - A pressão alta pode ser controlada apenas com a redução do consumo de sal

Mito

Nem todo hipertenso é sal sensível. Assim, a restrição ao consumo de sal pode não ser suficiente para o controle da pressão arterial.

Fala-se muito em reduzir a quantidade de sal na alimentação para a prevenção de episódios gerados por hipertensão, porque no Brasil se consome o dobro da quantidade de sal recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas este recurso não funciona com indivíduos que não têm a sensibilidade ao sal e vão, necessariamente, precisar de medicação para o controle. 

É importante que pacientes crônicos mantenham a rotina de acompanhamento médico, mesmo durante a pandemia. Consultas e exames podem ser realizados na BP Medicina Diagnóstica, com segurança.

Sobre a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Reconhecida pela revista Newsweek como uma das melhores instituições de saúde do mundo, a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo é um hub de saúde privado que compõe o grupo de 6 instituições de excelência brasileiras reconhecidas pelo Ministério da Saúde e integra o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), realizando projetos de educação, pesquisa, avaliação de tecnologias, gestão e de assistência especializada voltados ao fortalecimento e à qualificação do SUS em todo o País. São mais de 7.000 colaboradores e 4.000 médicos atuando em 3 endereços na cidade de São Paulo, nos bairros de Bela Vista (2 unidades) e Jardim América.

 

Os serviços da BP são oferecidos por meio de 4 marcas de serviços hospitalares com foco em alta complexidade e que atendem diferentes segmentos de clientes, e 3 marcas que contemplam serviços de medicina diagnóstica, consultas médicas e atendimentos ambulatoriais e educação e pesquisa. São elas: Hospital BP, referência em casos de alta complexidade, pronto-socorro geral e corpo clínico especializado para clientes de planos de saúde e particulares; pelo BP Mirante, hospital que oferece um corpo clínico renomado, pronto atendimento privativo, hotelaria personalizada e cuidado intimista para clientes particulares e de planos de saúde premium; pelo BP Essencial, hospital que tem foco na qualidade assistencial e oferece acomodações compartilhadas para clientes de planos de saúde básicos e particulares; pelo BP Hospital Filantrópico, que oferece cuidado humanizado e eficaz para clientes regulados pelo Sistema Único de Saúde (SUS); pela BP Medicina Diagnóstica, um completo e atualizado centro de diagnósticos e de terapias, que oferece exames laboratoriais, de imagem, métodos gráficos e de todas as outras especialidades diagnósticas; pelo BP Vital, uma rede de clínicas de diversas especialidades médicas integrada aos demais serviços da BP para cuidar da saúde dos clientes e estimular conversas preventivas sobre a saúde; e pela BP Educação e Pesquisa, tradicional formadora de profissionais de saúde que capacita profissionais por meio de cursos técnicos e de pós-graduação, residência médica, eventos científicos e é responsável por gerenciar mais de 100 estudos e pesquisas na área da saúde com o intuito de contribuir para a evolução da Medicina no País.

Envie seu Comentário

 

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook