Desembargadora acusada de vender decisão judicial vira ré em ação penal do Ministério Público Federal

Pela decisão, os ministros também mantiveram o afastamento de Sérgia Maria Mendonça Miranda de suas funções até a conclusão do processo.

PGR/Foto: STJ/Divulgação
Publicada em 07 de dezembro de 2018 às 11:40
Desembargadora acusada de vender decisão judicial vira ré em ação penal do Ministério Público Federal

Por unanimidade, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) recebeu, nessa quarta-feira (5), denúncia contra a desembargadora do Tribunal de Justiça do Ceará Sérgia Maria Mendonça Miranda, acusada de prática de venda de decisões judiciais. A ação, proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), investiga ainda outras sete pessoas, a maioria delas, advogados. Os ministros também mantiveram o afastamento da magistrada de suas funções até a conclusão do processo.

Na sustentação oral, o vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, afirmou que as investigações revelaram a existência de um grupo de WhatsApp por meio do qual era divulgada a escala do plantão judicial dos magistrados. Ao saberem dos dias certos, era ajustado valor para cada decisão favorável, que era de R$ 150 mil. O esquema consistia na impetração de habeas corpus durante o plantão judicial da desembargadora, que concedia a ordem.  Em seguida,  era expedido alvará mediante pagamento do valor acertado.

“A denúncia vem rica de informações objetivas indicativas dos processos, pessoas, valores e movimentações financeiras, razão pela qual o Ministério Público Federal pede o recebimento da denúncia de corrupção passiva contra a desembargadora, e de corrupção ativa contra os advogados”, afirmou Luciano Maia. A investigação identificou, nos delitos envolvendo a atuação da desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda na concessão de liminares em sede de habeas corpus, a participação do seu então companheiro Frankralei Oliveira Gomes e dos recém-formados advogados Michel Sampaio Coutinho, Carlos Eduardo Miranda de Melo, Mauro Rios e Jéssica Simão Albuquerque Melo, que eram usados como testas de ferro no esquema.

 Réus – Além da desembargadora, passam a ser réus na ação penal os intermediários Frankraley Oliveira Gomes e Paulo Fernando Mendonça, além dos advogados Michel Sampaio Coutinho, Carlos Eduardo Miranda de Melo, Mauro Júnior Rios, Jéssica Simão Albuquerque, Cláudia Adrienne Sampaio de Oliveira.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook