Jornalistas que não elogiam Marcos Rocha são impedidos de participar da solenidade dos 100 dias do Governo

Desde que assumiu a SUGESP, Junior Gonçalves, que antes de ser nomeado para o Governo estava à frente do falido grupo de supermercados Gonçalves, que foi à bancarrota, tem se dedicado a usar o cargo público para tentar fazer com os sites independentes o mesmo o que aconteceu com as empresas de seu pai. Mas está perdendo tempo

TUDORONDONIA
Publicada em 15 de abril de 2019 às 11:39

Foto: Junior Gonçalves, filho do empresário falido José Gonçalves, agora se dedica a perseguir jornalistas

O jornalista Gomes Oliveira, da Folha Rondoniense, foi impedido de ter acesso ao local onde estava sendo realizada a solenidade em que o governador coronel Marcos Rocha (PSL) reuniu a imprensa amiga, o secretariado e convidados para prestar contas de seus 100 dias de Governo e, supostamente,  anunciar projetos, na manhã desta segunda-feira, 15, no Centro Político Administrativo (CPA).

Todos os jornalistas de veículos de comunicação considerados críticos ao Governo Marcos Rocha foram impedidos de ir ao evento.

Os  responsáveis  pelo corte foram  Junior Gonçalves, filho do falido empresário José Gonçalves, e o jornalista Lenilson Guedes, diretor do Departamento de Comunicação do Governo.

Eles elaboraram uma lista onde só colocaram nomes de jornalistas de veículos de comunicação alinhados ao Governo e excluíram os que consideram ser críticos a Marcos Rocha, como o jornalista Rubens Coutinho, do Tudorondonia; Everaldo Fogaça, de O Observador, e o próprio Gomes Oliveira, entre outros.

“ Fizeram um favor ao excluir meu nome. Eu é que não vou participar de uma palhaçada destas. E um recado aos perseguidores: O Governo passa e a imprensa fica. E é melhor ser contado entre os perseguido  que entre os perseguidores”, disse  o jornalista Rubens Coutinho, editor do Tudorondonia. Rubinho já sabia previamente da exclusão de seu nome. 

Desde que assumiu a SUGESP – Superintendência de Gestão de Pessoas -, Junior Gonçalves, que antes de ser nomeado para o Governo estava à frente do falido grupo de supermercados Gonçalves, que foi à bancarrota, tem se dedicado a usar o cargo público para tentar fazer com os sites independentes o mesmo o que aconteceu com as empresas de seu pai. Mas está perdendo tempo. 

Ocorre que, diferente do que pensa o filho do empresário falido, veículos como o Tudorondonia, a Folha Rondoniense, O Observador, Rondoniadinamica, entre outros, não dependem de verba governamental para continuar existindo, diferente de uma SIC TV, de um Diário da Amazônia, de uma TV Rondônia, por exemplo.

Estes  sites são enxutos, bem administrados e procuram se ajustar à realidade econômica, diferente do falido grupo do pai de Junior Gonçalves. 

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Paulo 16/04/2019

    É interessante que, em vez de criticar a atitude dos assessores do Governador, que, diga-se de passagem é realmente reprovável, porque os jornalistas não se uniram e boicotaram essa coletiva de araque, condicionando a participação de TODOS os colegas de trabalho? é algo a se refletir...

  • 2
    image
    O GUARDIÃO 16/04/2019

    COMO DIZIA O SAUDOSO ROBERTO CAMPOS " AS EFEMÉRIDES SÃO EFÊMERAS.

  • 3
    image
    Antonio Carlos Cruz Veiga 15/04/2019

    Sempre a mesma coisa,sites "enxutos" e alguns "jornalistas" figurinhas carimbadas, porque os mesmos sites "enxutos" não procuram levar uma leitura dinâmica e sem estardalhaços, estão pegando aulas com globo,Yahoo e folha de São Paulo?

  • 4
    image
    Celita 15/04/2019

    Corretíssimo em denunciar. Todos os órgão governamentais são banhados pelo povo, incluindo, o Palácio do Governo. O Governador precisa saber e entender que não pode haver restrição para a mídia nem à ninguem, ou o Sr. Júnior Gonçalves tenta esconder algo dos jornalistas que são nossos olhos e ouvidos com.sua prestação de serviço ao povo?? Cintinuem, estamos com vcs.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook