Eu, o Adilson e os sonhos de jovens repórteres

O objetivo desta postagem é lembrar do amigo Adilson Santos Silva, que, fotógrafo na época, estava lá no meio do mato comigo. Tínhamos a mesma idade. Éramos jovens repórteres cheios de sonhos

Rubens Coutinho/editor do Tudorondonia
Publicada em 12 de janeiro de 2021 às 21:58

A história desta foto. Eu tinha por volta de 17/18 anos quando o meu então empregador me designou para a missão de fazer reportagem favorável a uma mineradora multinacional que se declarava detentora da concessão de toda a área que hoje é a região do garimpo Bom Futuro e adjacências.

Quando eu era menino, morei em diversos setores ou colocações daquela mesma região. Meu finado pai era garimpeiro de cassiterita e trabalhou duramente na Mibrasa, Jacundá, Paranapanema, Taboca, Oriente Novo e Mineração Rondonia, dos saudosos Moacir Mota e Alexandre Balarez.

Estas colocações tinham nomes como Japiin, Cachoeirinha, Mamões, igarapé Preto...pois bem, minha missão era escrever uma reportagem defendendo a suposta concessão da mineradora, para estimular o Exército a intervir na área a favor da empresa e contra os garimpeiros manuais de cassiterita, acusados de invasão.

Na foto, sobre o barranquinho, estão eu (de sapato branco numa currutela de garimpo !!!) , o Adilson Indio, que nos deixou ontem, vítima da Covid 19, e um desconhecido. No buraco de lavra de cassiterita estão dois garimpeiros anônimos.  Quando os vi atolados na lama, trabalhando, me veio a imagem de meu pai nas mesmas circunstâncias. Voltei para a redação do jornal e escrevi um texto totalmente contrário ao que desejavam meus patrões.

A matéria não foi publicada e acabei escanteado, condenado a cobrir polícia por mais de uma década. Pena longa ! Mas o objetivo desta postagem é lembrar do amigo Adilson Santos Silva, que, fotógrafo na época, estava lá no meio do mato comigo. Tínhamos a mesma idade. Éramos jovens repórteres cheios de sonhos.

Os do meu amigo terminaram ontem aos 55 anos de idade. Os meus foram e vão se desvanecendo aos pouco ao longo da vida. Descanse em paz, meu amigo.

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Mirian Franco 13/01/2021

    Bela homenagem ao Adilson com essa lembrança, Rubinho. A vida dos jornalistas esconde as agruras que nem sempre são expostas para a História da Imprensa. Muito boa gente era o Adilson. Convivi pouco com ele, somente nessas andanças entre as pautas, contudo pude apreciar sua simpatia cativante.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Vacinação sem dia nem hora

Vacinação sem dia nem hora

O ministro da Saúde do país, o general Eduardo Pazuello, afirmou em recente entrevista que será no dia “D” e na Hora “H”. Ou seja, aqui não há data prevista para que comecemos a nos livrar deste maldito vírus

Nota de Repúdio

Nota de Repúdio

Na oportunidade o Cremero externa mais uma vez seu agradecimento, em nome de toda população, a todos estes que vêm sendo incansáveis no exercício de suas profissões