Suspeitas de irregularidades: TCE determina que Governo não assine contratação para a construção do Heuro

Isto, ao menos,  até que a Corte de Contas decida , nos autos, sobre o  prosseguimento do contrato, uma vez  sanadas  eventuais irregularidades apontadas pelo Corpo Técnico

Rondoniadinamica
Publicada em 21 de julho de 2021 às 15:55
Suspeitas de irregularidades: TCE determina que Governo não assine contratação para a construção do Heuro

Porto Velho, RO – Em decisão tomada na última terça-feira (20), o conselheiro Valdivino Crispim de Souza, do Tribunal de Contas de Rondônia, apresentou uma série de determinações ao governador Coronel Marcos Rocha; ao secretário de Saúde (Sesau/RO),  Fernando Máximo,  e a Ian Barros Mollmann, Presidente da Comissão Especial de Licitação do HEURO (CELHEURO).

Crispim determina que eles “se abstenham de adjudicar, homologar ou contratar o objeto do RDC n. 001/2021/CELHEURO/SUPEL junto ao consórcio VIGOR TURÉ […]”.

Na prática, o Tribunal de Contas (TCE/RO) impediu a assinatura dos  atos de contratação do consórcio responsável pela construção do Hospital de Urgência e Emergência (HEURO), em Rondônia.

Isto, ao menos,  até que a Corte de Contas decida , nos autos, sobre o  prosseguimento do contrato, uma vez  sanadas  eventuais irregularidades apontadas pelo Corpo Técnico.

A Corte de Contas também mandou marcar audiências com todos os responsáveis pelo processo para que apresentem razões de defesas em cada suposta irregularidade apontada.

CONFIRA A DECISÃO:

Envie seu Comentário

 

Comentários

  • 1
    image
    Falei 21/07/2021

    Se verdadeiramente a análise é técnica, parabéns! Do contrário, mais anos pela frente aguardando pelo novo!

  • 2
    image
    Gilzelia Pereira 21/07/2021

    Uma luz no fim do túnel. + de 1 bilhão de reais é grana demais para construir um hospital. Com essa gastança daria para construir 3 grandes hospitais. Um em PVH, outro em Jipa e o terceiro em Guajará Mirim cada um custando de 300 a 400 milhões e os problemas de remoção de pacientes para capital estaria resolvido. Não ter responsabilidade com o dinheiro público deveria ser crime com pena longa principalmente para gestores públicos, parabéns Conselheiro Valdivino Crispim pela analise e decisão.

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook